segunda-feira, 18 de abril de 2011

Maravilhada

Meu sonho de conhecer o Rio de Janeiro começou quando eu tinha 7 anos e fui visitar os parentes do meu avô. Bons italianos como são, gastaram todo o tempo (lê-se: um final de semana) matando a saudade da família com macarronada, nhoque, pizzas e muita polenta. Não saímos de casa e eu, mesmo tão pequena, fiquei um pouco frustada de não ir ao programa da Xuxa (tudo bem que a culpa não era deles. O programa não era ao vivo. Era gravado na quarta).

A minha lembrança mais forte, aliás são 2, foi eu sentada no banco de trás do carro e vendo o Cristo pela janelinha lááááá longe. A outra foram meus "primos" um com 8 anos de idade, outro com 6, me importunando embaixo da mesa (aonde eu achava que estava bem escondida deles) um tentando me beijar (ÉCA) e outro falando que eu era gorda, chata, boba, vou contar tudo para a sua mãe.

Até bem pouco tempo, quando alguém falava o nome Igor, eu fechava os ouvidos, cantarolava uma música e corria o mais rápido que eu podia de onde estivesse. Acho que ninguém entendeu que fiquei traumatizada.

Mas ano passado, foi a vez da família do Rio nos visitar em Goiânia. E quebrou toda aquela má impressão. Minhas tias são mulheres chiques, fortes, lindas e ótimas companhias para qualquer programa. Tudo foi tão divertido que ao nos despedirmos vi que não era só eu quem chorava: minha irmã, meu irmão, minha madrinha...Acho que a presença do meu avô também era sentida naquele momento.

E meu sonho ficou ainda maior. Tenho conciência que não é só por causa das novelas (sempre mostrando os cartões postais da cidade maravilhosa). Tenho certeza que não é só por causa da Bossa Nova (lindas canções que me faziam sonhar acordada suspirando pelo primeiro amor). Sei que não tem haver com a garota de ipanema e nem com os calçadões de copacabana. Muito menos com os artistas globais que fazem cooper e depois levam os filhos para dar um mergulho naquele marzão de Deus.

Um dia mesmo, indo para Paraty, fiz meu marido desviar o caminho e passar na porta do Rio, mas não consegui fazer mudá-lo de roteiro e ficar por ali mesmo. Quem mandou ter uma favela no caminho na felicidade? Entendo o medo que muitas pessoas tem de uma bala perdida, de casas soteradas pelas tempestades, mas não queria abrir mão do meu sonho por causa de tantas fatalidades que, se pensarmos bem, pode acontecer em qualquer lugar.

Ontem meu pai me deu uma agradável surpresa. Disse que se tudo correr bem (se tiver hotel disponível, se os preços não tiverem triplicados, se todo mundo topar viajar 15 horas de carro, entre outras coisas), nós vamos neste feriado para o Rio de Janeiro. Imagina a empolgação e ansiedade que fiquei e estou desde este momento? Quero muito que esta páscoa (a data mais gostosa do ano) seja também a mais linda e inesquecível.

Todo mundo sabe que quando a expectativa é demais acaba sendo frustada, concordam? Por isso eu queria mais uma vez a ajuda de vocês. O que eu devo ver (IMPERDíVEL) no Rio de Janeiro para a viagem ser exatamente como sempre sonhei?

Torcendo. Torcendo.

Nenhum comentário: