sábado, 9 de junho de 2012

Feriadão

Fazia 3 noites que eu mal conseguia dormir, tudo porque na quarta era véspera de feriado e eu iria pegar a estrada para comemorar meu aniversário em casa. Cheguei 1 hora mais cedo e trabalhei na hora do almoço com esperança de meu chefe me liberar mais cedo. Rimos, quando ele comentou que eu estava com o dedinho nervoso naquele dia. Mas a verdade é que sou uma criança que não sabe crescer mas adora fazer aniversário e se emociona toda vez que cantam parabéns pra ela.

Terminei até os jobs da semana seguinte, desliguei o computador e fiquei esperando o nego chegar. As 4h em ponto ele deu um toque no celular. Eu pedi 5 minutos para ir ao banheiro antes de descer. Quando estou indo chamar o elevador, a Gi (atendimento) me chama na sala de reunião para pedir um ultimo favor em um trabalho. Quando entrei na sala, todos meus colegas e amigos me surpreenderam com uma torta de morango, salgadinhos de queijo e guaraná. Fiquei realmente sem reação. Um dos colegas até comentou que era óbvio que eu já desconfiava. E acabei dando uma resposta até mal educada dizendo que não tinha a minima ideia. Afinal, eu estava contando os segundos pra começar minha viagem e deixaram para comemorar no último segundo?

Parti a torta, fiz um pedido e corri para o carro. Que demorou mais de 2 horas para conseguir sair da cidade por causa da chuva, neblina e congestionamento ferrado. A ficha demorou a cair. Era lógico que eu deveria ter ficado para o meu aniversário, só que não (me arrependi mortalmente - obrigada pela surpresa linda galerinha).

Contrariando meus cálculos, ao invés de fazermos uma viagem de 10 horas, levamos 15 (ai minha bunda quadrada). Passamos em Ribeirão para buscar meu primo e em Uberlândia para pegar a Amanda. Fora isso, foi tudo parada para abastecer e muitos caminhões na estrada. Mas nada a reclamar. A companhia estava mega agradável e eu estava com uma saudade imensa da minha BFF (de ser um pouco amiga, não somente esposa).



Chegamos 5h da madrugada, mas 9h30 já estava em pé, louca para dar um beijo no meu pai. Desci para o computador e conversamos sobre tudo (menos política e religião) aproveitamos também para terminar a lista para o churrasco na chácara do Tio Chico. Depois almoçamos e fui com minha mãe no Araguaia Shopping pra revelar umas fotos. Enquanto esperávamos, a Amanda me ajudou a comprar produtos para deixar meu cabelo super brilhante (isso é o que eu espero, hehehe).



Voltamos para casa e fomos convidados para conhecer a casa da tia Carla (um palácio no Aldeia do Vale) e coincidentemente há 1 quarteirão da casa da Camila (nossa amiga desde os 8 anos de idade). Voltamos para casa quando a tia Elza contou que estava nos esperando na porta. E depois fomos no Peixinho dar um abraço na tia Márcia que viajaria no outro dia. Tava dificil esperar até meia-noite. Até porque o bar estava fechando e as luzes se apagando. E quando as cadeiras estavam sendo recolhidas, ganhei meu segundo parabéns. Que delícia, viu? Tantos abraços...



Em casa, meu pai não deixou irmos dormir até assistir o DVD do Xangai (momento remembers do seu cantor preferido). Consegui ir para cama às 2h e quando peguei no sono meu marido me liga para dar o parabéns. Que fofo. Infelizmente, às 7h eu já estava de pé para tirar sangue e fazer uma consulta no médico. Na parte da tarde, levei a Amanda na Feira da Estação para comprar presentinhos (tudo pechincha de 15 reais minha gente) e só voltei para casa porque meu sogro tinha ido me visitar. Mais um pouco chegou a Mila com os 2 filhos (coisas lindas) e a Camila com as 2 filhotas (coisas lindas ao quadrado).


Assim, neste clima de muita amizade, um amigo nosso - da época de Amsterdam - nos ligou e pediu o endereço para ir nos visitar (que massa, 3 anos sem vê-lo). Para aumentar a surpresa, a Carol e Léo liga para falar parabéns e resolvemos na hora encontrar com eles no Boteco dos Meninos. Chegando lá, chorei. Era um pedido oficial para sermos padrinhos do casamento deles daqui 3 meses (cupido feelings). Engraçado que neste mesmo barzinho encontrei a Inês, diretora de criação que acreditou em mim e há 8 anos atrás me ensinou a ser uma redatora criativa (ou fazer o máximo que posso, rsrs).



Dormi às 3h30 e acordei às 8h (tô morta), mas tinha que ir na chácara preparar o minha festinha (ieeeee). Foi tudo uma delícia. Passei momentos incríveis com minha família e meus amigos. Conversei bastante, matei o que estava me matando, e mais uma vez cantaram parabéns (o terceiro) em um coro ainda maior. Super emocionei. Obrigada povo lindo.



Agora estou na casa do meu amigo Hugo terminando de matar as cervas para voltar para Sampa amanhã às 8h (SNIF. Chavão do tudo que é perfeito passa rápido). Gostaria de agradecer do fundo do coração a todos, pelo amor, pela presença, pelos presentes) e dizer que meu dia ainda não acabou.




Vou só pular a terça-feira (porque no Dia dos Namorados não tem como exigir score) e comemorar meu niver até quinta, dia 14, no Karaokê da Liberdade. Quem for desafinado é meu convidado de honra.




Dui :)




2 comentários:

Um sonho a dois disse...

Parabéns querida, vc merece tudo de melhor. Bjsssssss Cibele e família Oliveira Rezende.

Carolina Gomes disse...

Nossa que delícia de festa!!! pena que nós perdemos... pensamos em vocês o tempo todo!
Você tem a capacidade de encantar e cativar a todos nós, o seu olhar é de amor e o seu abraço nos faz querer sempre mais! Parabéns pela linda pessoa que você é!
beijos com muito amor
Carol