quarta-feira, 9 de setembro de 2009

09/09/09

Escuta-se o som das chaleiras anunciando o fim dos tempos. Relógios desgrenhados, paciência enferrujada. Hoje é 09/09/09, às 9 horas e 9 minutos da manhã.
O povo inventa de tudo para dizer que chegou o fim do mundo. Este é o sonho de muita gente. Mas fazer o quê se o homem acaba resistindo às provocações da natureza. Um bando de cabeças duras, viu?
Tem aqueles que torcem contra. Hoje por exemplo, a Ana Maria Braga foi capaz de dizer, que sabia que a mãe natureza iria acabar reagindo aos desmatamentos na Mata Atlântica, que erraram ao construir suas casas à beira dos rios, e agora é natural que percam as suas casas e as suas vidas. (Grande otimismo para começar uma manhã).
Foi assim, neste turbilhão de acontecimentos, catástrofes e explosões que recebi um email decisivo. Depois de 1 mês na expectativa, o pessoal da Leo Burnett escolheu outro redator para estagiário. Enfim, a minha dúvida se casava ou comprava uma bicicleta acabou.
Por essas infinitas semanas relutei várias vezes em encaixotar as minhas coisas, da minha casinha nova e voltar a depender do meu pai. Deixando de ganhar alguma coisa para não ganhar absolutamente nada. Voltando a morar na casa do meu irmão em Sampa, sem espaço na garagem. E tendo que acordar às 5 horas da manhã para chegar a tempo no serviço que ficaria há 1 hora e meia de lá.
Mas este exemplo que dei, absolutamente, não fazia parte das listas dos contras. No fundo, eu estava feliz pela oportunidade de ver uma esperança no rosto do meu noivo, de sairmos desta cidade quente e devagar, de enfrentar mais uma vez uma mudança que poderia expandir meu conhecimento e me dar mais uma vez razão para tanto estudo, tanta dedicação.
Eu estava mais uma vez com o olhar no novo. E agora só tenho vontade de deitar na minha cama e não sair de lá tão cedo. Mas não posso. Deveres são deveres. Mesmo os mais enfadonhos. É hora de estrear a panela de pressão.
Agora são 9 horas da noite, do dia 09/09/09, algumas casas foram destruídas em Santa Catarina. Mas moro em Ribeirão. Aqui não chove, só faz calor. E o mundo não acabou. O que quer dizer que a minha oportunidade ainda vai surgir, na hora certa ou o quanto antes.

Nenhum comentário: