quinta-feira, 31 de março de 2011

Preferencial

Para você pode ser vergonhoso. Para mim é prático. Como alguém pode ser aproveitadora desse jeito? Quer que eu te explique?
A vida inteira fui chamada de gordinha. Aquelas que não tinham tal coragem de falar na cara, vinham com o papo: Mas seu rosto é tão bonito. Que sorriso lindo! Agradeço sinceramente os elogios. Eu me prendi a eles para ter esta auto estima exagerada. Mas como a verdade sempre aparece no espelho mais próximo, resolvi tirar proveito da situação.

Por que em um ônibus lotado quando não tem velhinhas, nem gestantes, nem deficientes, algumas pessoas preferem se esmagar nas 2 horas de viagem em pé, ao invés de usufruir de uma maravilhosa e confortável poltrona? rsrs
Por que nos supermercados, as pessoas vão comprar apenas um pãozinho, mas enfrentam uma fila de quilômetros só por causa de uma placa de preferencial?

Bom, aqueles funcionários, se pudessem, não escolheriam atender pessoas que mudam de opinião a cada segundo, e no final acabam deixando a metade da compra no carrinho porque não enxergaram o preço certo, como se o mundo tivesse parado para escutar as peripécias que o netinho andou aprontando da hora que ela foi comprar o leite para o café até a hora que ela voltou para comprar o bife do almoço.

Ou seja, eu sou PREFERENCIAL. Com o maior orgulho. Ontem sentei na poltrona do ônibus, curvei as costas para trás formando uma ondulação na minha coluna mas enpinando a barriga pra frente até chegar ao tamanho ideal de 4 meses. Isso mesmo. Acareciei a minha barriga enquanto aquele ônibus lotava cada vez mais. Fiz um cálculo rápido se alguém me perguntasse para quando era. E já tinha toda a história na ponta da lingua. Começo de setembro. Vai ser libriana. Chama Júlia. Ainda não terminei de decorar o quartinho.

Bom, mas as pessoas que se indignam não conversam. Elas te olham de cara feia, e começam a gritar com qualquer pessoa do lado: - Acho bom que ela esteja mesmo grávida, senão espero que morra. A tensão é tão forte que você sente mesmo uma pontada. O duro é ter que segurar o personagem até depois de descer no ponto. Passar por todas aquelas pessoas com a barriga proeminente, e descansar com as mãos nos quadris, e andar de um jeito que não está aguentando o peso do corpo. Tem dias que até acredito que este nenê precise nascer logo. Uma futura mãezinha, mesmo na ficção, está sempre cansada. Mas se eu fico de pé dá um enjoo tão grande que não me arrependo de usar minhas armas.

Você está com inveja ou ainda está me julgando? Bem, quem mandou ser magra?

3 comentários:

Vanessa disse...

Sacanagem essa Ellen! ahahhahahahaha

Um sonho a dois disse...

Pior é estar grávida e ninguém perceber e ainda achar errado vc passar na frente da fila do banco(cheguei a desmaiar qdo esperava seu afilhado numa fila de banco) e não ter direito ao banco no ônibus pois as pessoas confundiam a sua barriga de bebê com gordura. Aconteceu comigo várias vezes e olha que nunca fui magra, kkkk, espertinha, kkkk!!!
Beijos da titia!!!

*** Tata *** disse...

cara de pau!!! kkkkkk
só vc mesmo Ellen!!! kkk